Arquivo da categoria ‘Literatura’

Esse post foi feito através da sugestão de uma leitora aqui do blog. Se você quiser mandar sugestões de colunas, posts, reviews, etc,  basta enviar para o e-mail pipocacomcajuina@gmail.com .

~

O diferencial da história são os personagens que, apesar de fazerem parte de um ambiente fantastico, são muito reais. Aqui não existe moçinho e nem vilão, todos possuem, digamos, o bem e o mal dentro de si, porém, cada um possui as suas próprias motivações e objetivos.

Outro fator que vale ressaltar é que a série possui vários pequenos núcleos de historias paralelas, todas relacionadas com a história em geral, nunca sendo centrada em apenas um grupo de personagens, que o que é basicamente é feito na maioria das séries. Como a HBO é famosa pela densidade e qualidade de suas séries, ela foi quem adquiriu os direitos para adaptar ‘Guerra dos Tronos’.

Ao invés de produzir um filme televisivo, de no máximo 3 horas de duração, cada livro da saga terá sua própria temporada, com cerca de 10 episódios, no total de apróximadamente 10 horas por temporada, é bastante tempo. É sinal de que a saga poderá ser levada para à TV com riquesa nos detalhes e na complexidade da história.

A própria HBO está promovendo a série como a sua próxima grande série, algo como, palavras deles: “Os Sopranos na Terra média”. Pra quem não sabe, “Os Sopranos” foi uma série muito premiada, ela é considerada a melhor série da HBO, e uma das melhores da história da TV.

O autor dos livros,George R.R., é um antigo roteiristas de séries e filmes de Hollywood, e ele será responsável pelo roteiro de um dos episódios dessa primeira temporada. Essa relação entre o escritor e a produção da série é uma das várias atitudes que a HBO está tomando para deixar a série mais próxima possível dos livros, transpor o universo exatamente como ele é. Os fãs, acompanham tudo de perto, o autor posta no twitter como está indo as filmagens. Houve uma sessão com a empresa encarregada da promoção e publicidade com alguns fãs selecionados.

Um dos posts sobre os relatos dos sets teve como assunto a pequena atriz Maisie Williams que interpreta a personagem Arya Stark (de 11 anos na série), ela exigiu que o treinador a ensine a lutar com a espada usando sua mão esquerda porque ela é destra, mas a personagem Arya, não é.Foi uma surpresa e tanto para os envolvidos, a preocupação de uma atriz tão nova assim, cuja personagem por sinal tem todo o potencial de desbancar a “Hit Girl” (do filme ‘KickAss’).

Confira abaixo algumas das fotos já divulgadas até agora e um video de 10 minutos dos bastidores.

Fotos promocionais

Video dos bastidores

No site www.makinggameofthrones.com , são postadas várias informações sobre a série: fotos, videos, etc.

Previsão de estréia: Abril/2011

~

Espero que tenham gostado! Até eu estou ancioso para que essa série estreie logo! Em breve comecarei a ler o livro.  Até a review de sexta! Abraço!

See ya!

Héliosan

Anúncios

‘Crônicas de Gelo e Fogo’, é o novo lançamento da Leya Cult (selo da Editora Leya no Brasil),  trata-se do primeiro volume de uma série de sucesso internacional de George R.R. Martin, cujo o título do primeiro livro da saga no Brasil será ‘Guerra dos Tronos – As Crônicas de Gelo e Fogo – Vol.1’. O livro tem cerca de 590 páginas, e um preço médio de R50 reais e já encontra-se em pré-venda em livrarias como Saraiva.

A  belíssima ilustração da capa, que será a mesma das novas edições francesas, foi feita pelo artista Marc Simonetti. Para conferir outras ilustrações do artista, visite a página dele no Deviantart: aqui. Foi divulgado no próprio site da editora, o primeiro capítulo do livro, para conferir basta clica aqui.


Sinopse: Em uma terra onde o verão pode durar décadas e o inverno toda uma vida, os problemas estão apenas começando. O frio está de volta e, nas florestas ao norte de Winterfell, forças sobrenaturais se espalham por trás da Muralha que protege a região. No centro do conflito estão os Stark do reino de Winterfell, uma família tão áspera quanto as terras que lhe pertencem.
Dos lugares onde o frio é brutal, até os distantes reinos de plenitude e sol,George R. R. Martin narra uma história de lordes e damas, soldados e mercenários, assassinos e bastardos, que se juntam em um tempo de presságios malignos. Entre disputas por reinos, tragédias e traições, vitória e terror, o destino dos Stark, seus aliados e seus inimigos é incerto. Mas cada um está se esforçando para ganhar este conflito mortal: a guerra dos tronos.

George R.R. Martin (aclamado como “Tolkien Americano”, nos EUA), comecou a escrever a saga por volta da decáda de 90 e conquistou uma legião de fãs. A saga usa a fantasia de uma forma nao convencional, com uma história que foca-se às disputas políticas e intrigas entre os personagens, fazendo com que os elementos fantásticos complementem a narrativa, tornando a história ainda cativante.

Além do lançamento do primeiro livro em português, a saga irá ganhar uma série televisiva, produzida por nada menos que HBO, famosa por ótimas séries, que por sinal teve muitas indicações e vencedores do Emmy 2010( ver post do Emmy 2010, aqui).  Entitulada ‘Game of Thrones’, a série tem data prevista para março de 2011. O elenco é formado por nome como Sean Bean, Lena Headey, Peter Dincklage, Charles Dance, entre outros.

Fotos promocionais

Teaser-trailer

Site Oficial: aqui.

Créditos: HBO, Editora Leya.

~

Achei super válido o lançamento! Até o próximo post!

See ya!

Héliosan

Série Percy Jackson e os Olimpianos

Publicado: 8 de julho de 2010 em Literatura, Livros

Oi, gente. Então, quando eu escrevo pra cá eu tento sempre agradar todos os gostos e escrever sobre todo tipo livro. Mas hoje eu resolvi agradar o meu gosto… hihi! Eu sou uma grande fã de série de livros – Harry Potter, Crônicas de Nárnia, O senhor dos anéis e por aí vai… – não posso ver três livros juntos ou um box que eu já quero ler e tudo mais. Daí, hoje eu resolvi escrever sobre o primeiro livro da última série que eu li… então, lá vai:

O livro ‘O ladrão de raios’ é o primeiro da série Percy Jackson e os Olimpianos, escrito por Rick Riordan.

Percy Jackson é um garoto de 12 anos que vive com a mãe e o padrasto na cidade de Nova Iorque. Ele passou, nos seus últimos seis anos, por seis escolas diferentes e foi expulsa de todas elas. Tachado de disléxico e hiperativo, Percy se acostumou com todas as coisas estranhas que acontecem em sua vida; mas é uma excursão de sua escola, que ele começa a desconfiar de que ele não é um garoto tão normal assim.

Primeiro, nessa mesma excursão, Percy lança uma garota em chafariz para defender seu melhor amigo Grover, que é, na verdade, um sátiro. Sua professora de matemática se revela uma das fúrias de Hades e seu professor de latim, o Sr. Brunner é, na verdade, um centauro.

Percy descobre a verdadeira face de sua professora de matemática durante uma luta com ela, onde ela se transforma em um monstro mitológico e tenta matá-lo. Sr. Brunner, ou Quíron – que é seu nome verdadeiro, lança para Percy se defender uma caneta, que ao ser destampada se transforma na espada Anaklusmos.

Após destruir o monstro, coisas ainda mais estranhas acontecem na vida de Perseu Jackson (leiam o livro pra saber o que acontece! Hihi) e ele acaba por chegar ao Acampamento Meio-Sangue e descobre que Quíron é o responsável pelo acampamento e treinou meio-sangues (pessoas que são metade deuses e metade mortais) como Hércules e Jasão. Lá ele conhece Annabeth, filha de Atena e sua futura melhor amiga.

No desenrolar da história, Percy passa por várias aventuras e fica frente a frente com vários seres mitológicos, como a própria Medusa. Até que ele é acusado de ter roubado o raio-mestre de Zeus, e é com Grover e Annabeth, que os três saem em busca do raio para mostrar aos deuses quem foi o verdadeiro culpado. Na empreitada, eles acabam conhecendo  Hades, o deus dos mortos; Ares, o deus da guerra; Zeus, o deus dos céus e Percy finalmente tem a chance de conhecer seu pai: Poseidon, o deus dos mares.

Próxima semana tem o segundo livro da série: O mar de monstros. São quatro livros lançados até agora, tá faltando só o quinto: O último olimpiano. Esse tá programado pra sair no Brasil no fim do mês de Julho, torçam aí pra que até o primeiro post de Agosto eu já o tenha lido! Hihi 😀

Bises. :*

Naine.

Carrie, a estranha

Publicado: 1 de julho de 2010 em Literatura, Livros

(Só pra constar que eu tenho plena certeza de que esse vai ser um das piores sinopses que vocês vão ler na vida, ok? Mas o livro é bem legal… eu juro!)



Carrie – publicado aqui no Brasil como Carrie, a estranha – foi o primeiro livro lançado pelo autor Stephen King em 1974. É considerado um dos livros mais banidos das escolas estadunidenses e foi adaptado para o cinema dois anos após seu lançamento, ou seja, em 1976, por Brian de Palma. Em 99 estreou a seqüência do primeiro filme, The Rage: Carrie 2, que com certeza não deve ser tão bom nem tão intenso quanto o primeiro.

Voltando para o livro… ele relata a história de Carietta “Carrie” White, uma adolescente de 16 anos que vive em Chamberlain no Maine. Sua mãe, Margareth White, é uma cristã religiosa fervorosa e possui uma personalidade vingativa, que fez com que Carrie fosse criada de forma ameaçadora e sob condenações da própria mãe.

O livro usa de documentos ficcionais – extratos de reportagens, entrevistas com especialistas e pessoas que conviveram com Carrie – no intuito de deixar a história mais crível.

A vida de Carrie não é das melhores. Como toda garota americana – e excluída -, Carrie não vai bem na escola, a Thomas Ewen High School. Ela se fechou sem seu próprio mundo devido a zombaria de seus colegas de classe.

A história dela tem seu estopim quando todas as garotas de sua sala, após uma aula de Educação Física, vão tomar banho. Carrie tem ali sua menarca, o que vem para desespero da menina que não soube o que é menstruação – já que sua mãe nunca conversou com ela a respeito disso. O fato dela não fazer a menor idéia do que seja ‘menstruação’ só torna Carrie motivo de mais chacota.

Lideradas por Chris Hargensen, típica garota rica e mimada, todas atiram tampões e absorventes na cara de Carrie. Quando a senhorita Desjardin, professora de ginástica, chega ao banheiro e percebe o acontecido, sua primeira reação é repreender Carrie por tamanha estupidez. Contudo, após se dar conta de que a menina não tem o menor entendimento sobre o assunto, se apieda de Carrie e a ajuda a se limpar, levando-a à diretora que a libera para que sua mãe pode cuidar dela.

Margareth White não demonstra a menor simpatia pelo fato e repreende a filha pelo seu encontro com a “mulher maldição”, devido à sua crença. A professora de ginástica continua furiosa com as garotas que zombaram de Carrie e quer que todas levem suspensão e que sejam barradas de iram a grande festa que vai acontecer na escola.

Aí, Carrie descobre que tem o poder da telecinese. Ela possui o dom desde seu nascimento, mas o controlou para que ele desaparecesse após sua infância. Carrie se lembra de alguns incidentes que podem ser considerados telecinéticos e os pratica em segredo, afim de obter total controle de seu poder.

Enquanto isso, Carrie é chamada por um dos garotos mais populares da escola a ir ao baile. Então, ela decide fazer sua própria roupa para a festa, um vestido vermelho de veludo. A mãe de Carrie ao ver a filha fazendo o vestido, a condena, chamando até mesmo a telecinese de bruxaria. No entanto, Carrie está cansada de dizerem a ela que tudo é pecado… tudo que ela quer é uma nova vida, e encara o baile da escola como um recomeço.

Chris Hargensen continua furiosa com Carrie e inventa seu próprio plano com o namorado para se vingar da menina. Os dois enchem dois baldes com sangue de porco e os deixam amarrados em uma corda logo acima do palco. O plano é: como Carrie está indo para a festa com o cara mais popular e atraente da escola – e futuro rei do baile – é provável que Carrie também seja coroada a rainha do baile.

Quando ambos sobem ao palco para serem coroados, Chris puxa a corda e o balde derrama todo o sangue nos dois. É o momento mais odioso em toda a vida de Carrie…

O plano de Chris funciona com êxito. Um dos baldes cai em cima da cabeça do rapaz que iria ser coroado rei, fazendo com que ele desmaie no palco. Todos que compareceram à festa riem da cara de Carrie, que sai do local em profundo estado de humilhação e fúria. Então, a garota se lembra da telecinese… primeiro, ela tranca todas as portas do local , depois vira uma grande mangueira de água para as garotas que tiraram sarro dela a vida toda. Carrie se lembra do equipamento elétrico do local e é olhando pela janela que ela provoca uma morte em série de todo o colégio Thomas Ewen High School.

Carrie, ao retornar para casa, confronta sua mãe que acaba acreditando que a filha está possuída e acha que a única maneira de salvá-la é matando-a. Margareth esfaqueia a filha no ombro com uma faca de cozinha e, assim, Carrie ainda banhada em puro ódio mata a sua mãe causando uma parada cardíaca através da telecinese.

Ao sair de casa completamente desnorteada, Carrie encontra Chris Hargensen e seu namorado fugindo no carro. A garota percebe o acontecido e quem foram os mentores da sua humilhação pública, então, ela faz com que o veículo perca o controle e causa um acidente, matando Chris e seu namorado.

Uma das amigas de Chris – e uma das que zombou dela no dia da aula de ginástica – segue Carrie e a encontra desmaiada no parque do estacionamento. Antes de morrer, Carrie se arrepende do que fez e acaba por perdoar a amiga de Chris.

(Ok, eu sei que nem todo mundo é fã de Stephen King… mas o cara é um gênio e merece ser lido! Recomendo deveras!)

Bises. :*

Naine.

Especial Saramago

Publicado: 20 de junho de 2010 em Literatura

E morre um dos maiores escritores da literatura mundial e um dos maiores nomes da literatura portuguesa.

José Saramago, além de escrito de uma vasta coleção de livros, também foi dramaturgo, jornalista, contista, romancista e um dos maiores poetas portugueses.

Nasceu em Novembro de 1922, em Azinhaga – localizada em Portugal – e morreu dia 18 de Junho de 2010 em Lanzarote – uma ilha localizada no arquipélago das Canárias. Esse ano o escritor iria completar 88 anos.

Saramago, além de renomado, com uma bibliografia numerosa, também é ganhador do prêmio Nobel de Literatura de 1998 e do Prêmio Camões, a mais importante premiação da literatura portuguesa. Além de tudo isso, o escritor foi considerado o mentor pelo conhecimento internacional da prosa em língua portuguesa.

“Ensaio sobre a cegueira”, um de seus livros mais conhecidos devido a sua adaptação para o cinema, teve a sua produção cinematográfica lançada em 2008. O filme foi dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles – também diretor de Cidade de Deus e O Jardineiro Fiel – e foi produzido tanto no Brasil como no Japão e Canadá, também.

Em 2010, um conto retirado do livro Objecto Quase, viria a se transformar em uma adaptação para o cinema e daria o nome ao filme Embargo, idealizado pelo português António Ferreira e seria uma co-produção entre o Brasil e Espanha.

Dentre sua bibliografia encontram-se livros como: Ensaio sobre a cegueira, Ensaio sobre a lucidez, o renomado e polêmico O evangelho segundo Jesus Cristo, As Intermitências da morte e o seu último lançamento, Caim, de 2009.

O autor, que já estava doente há algum tempo, faleceu de leucemia crônica. Deixou uma grande lacuna na literatura de todo o mundo.

Então gente, pra quem não viu o filme do Fernando Meirelles inspirado em uma das maiores obras de Saramago, “Ensaio sobre a cegueira”, aqui vai um pequeno resumo sobre ele:

No livro, a cegueira começa em um homem durante sua rotina cotidiana. Durante o período em que ele este sentado em seu carro esperando o semáforo ficar verde, este homem tem um ataque súbito de cegueira e quando as pessoas ao seu redor correm em seu socorro, desencadeia-se o ataque de cegueira em série.

A cegueira é descrita como branca e não é conhecida pelos especialistas, pois a cegueira habitual é negra, escura. A cegueira alastra-se rapidamente, formando, assim, uma epidemia.

O governo decide agir de alguma forma e põe todos os infectados pela misteriosa “cegueira branca” em uma quarentena com recursos limitados, a qual irá, aos poucos, desvendar as características primitivas do ser humano.

A força com a cegueira se alastra é maior do que as atitudes tomadas pelo governo e logo tomo o mundo está tomado pelo “branco”, e apenas uma mulher, misteriosamente irá preservar e manter a sua visão parar enfrentar os horrores que serão causados aos infectados e presenciando visualmente todos os sentimentos que aparecem no desenrolar da trama.

Neste local, onde todos os que estão tomados pela epidemia se encontram, todos os sentimentos presenciados pela mulher irão aparecer sob diversas formas: a luta entre os grupos pela pouca comida disponibilizada, compaixão pelos mais doentes e necessitados – idosos e crianças, abuso sexual, violência e morte.

Quando todos os doentes conseguem sair da quarentena – devido a um incêndio ocorrido da câmara de um grupo dominante, que controlava a comida e instalara de forma opressiva o desespero das outras pessoas – a única que possui o sentido da visão vê a cidade sem guarda e, então, os cegos passam a seguir seus instintos mais animalescos, passando a sobreviver como nômades.

José Saramago mostra na obra, as reações do homem à frente da necessidade, incapacidade e impotência. Assim, o autor nos leva a refletir sobre sentimentos como a moral, a ética e o preconceito, através dos olhos daquela única mulher que ainda possuía a visão frente a uma epidemia.

O livro acaba subitamente, acompanhando exatamente a ordem de contágio da cegueira: o mundo cego dá lugar a um mundo bárbaro e imundo.

Bises. :*

Naine.

Calabar: O elogio da traição

Publicado: 17 de junho de 2010 em Literatura, Livros

Esse é o título da peça musicada escrita em 1973 por Chico Buarque e Ruy Guerra, que depois foi transformada em livro.

A peça trata do episódio histórico da invasão holandesa ao Brasil, no século XVII, e expõe a trajetória do Comandante Mathias de Albuquerque para capturar Domingos Fernandes Calabar, quem preferiu tomar partido ao lado dos holandeses, traindo, assim, a coroa portuguesa. Nesse contexto, um Brasil colônia enlameado se transforma em uma arena onde os personagens da trama mascaram-se na pele de palhaços maquiavélicos para destilar o seu humor.

Na história, Calabar passa de um simples comerciante que visava apenas o lucro – e por isso resolve ficar ao lado dos holandeses – a herói que trai a coroa regente e os colonos brasileiros em busca não do ganho pessoal, mas de melhorias para o povo brasileiro.

A peça foi dirigida por Fernando Peixoto e foi considerada uma das mais caras produções da época, já que custou cerca de 30 mil dólares e empregou cerca de 80 pessoas. Como a peça é musicada, alguns dos maiores sucessos de Chico Buarque estão presentes nela e no livro, como “Não existe pecado ao sul do Equador”, “Anna de Amsterdã” e “Bárbara”.

O bom mesmo é ler o livro escutando as músicas do Chico Buarque e ficar só imaginando como deve ser a peça encenada de verdade:

“E se vocês rirem de mim,

Se eu for alvo de chacotas e chalaças,

Se for ridículo na jaqueta de veludo

Ou nas ceroulas de brim,

Ou porque falo tanto de caganeira e bacalhau,

É com pensarem duas vezes, porque, ainda mesmo assim,

Com lombrigas dançando dentro da barriga,

Com a Holanda, a Espanha e toda a intriga,

Eu sou aquele que, custa o que custar,

Acerta o laço e tece o fio

Que enforca Calabar.”

Bises. :*

Naine.

Bubble Gum

Publicado: 10 de junho de 2010 em Literatura, Livros

Bubble Gum é o segundo livro da autora parisiense, Lolita Pille, polêmica autora do livro Hell. O livro mescla dois temas clássicos da literatura da autora: a inocência ultrajada e o pacto com o mal. Em Bubble Gum, dois personagens se encontram e se confrontam: Manon, uma bela garota provinciana, que mora no sul da França e vai tentar sua carreira de modelo em Paris, e Derek, um herdeiro de uma multinacional, que tem como maior prazer manipular as pessoas e suas vidas.

Derek é atraído por Manon, que entrega sua alma, seu destino e, naturalmente, seu corpo para ele. Graças a Derek, que, no desenrolar da história, torna-se seu namorado, Manon consegue ficar famosa e brilhar em todas as capas de revistas mais famosas mundialmente. Manon consegue se sobressair na elite parisiense, porém à base de antidepressivos, bebidas alcoólicas e entorpecentes. A desgraça de Manon se dá quando ela percebe que tudo não passou de um jogo do seu amado e, por ele ter “destruído” sua vida e, consequentemente, sua fama, traça um plano para se vingar.

Muitos comparam a personagem Manon com Madame Bovary, mas enquanto a personagem de Flaubert protagonizou romances “água com açúcar”, Manon vive e sofre na pele a influência que muitos sofrem da mídia, da televisão e das revistas de celebridade: a fama a qualquer preço.
Embora Manon fique cega com os flashes das câmeras em sua volta, ela não é iludida. Sabe muito bem que muitos em seu meio aparecem por que parecem ser algo ou alguém. Ela conhece a linha tênue que separa a realidade e a ilusão.

A protagonista aparece em todas as propagandas e em todas as capas de revista. Em festas badaladíssimas, cheias de artistas célebres, lá está ela,envolta em uma luz ofuscante. Manon chegou ao topo e sabe que é uma vencedora. Até que Derek decide acabar com brincadeira, e o preço a ser pago por ela é a base de alucinações, depressão e alcoolismo.

Lolita Pille descreve uma narrativa mais complexa do que aparenta, é sempre crítica aos valores contemporâneos da sociedade. Agora, sabe-se muito bem porque o livro chegou a ser um dos mais vendidos na França.

Quem tiver se interessado pelo livro, é só me pedir emprestado! hihi 🙂

Bises :**

Naine.